J’adore Óleo Divino | DIORMAG

13 Abril
eventos

Uma coleção excepcional

Durante o Salone del Mobile de Milão, a Dior Maison revela quatorze criações exclusivas elaboradas pelo Dimore Studio. Uma coleção apresentada na magnífica Casa degli Atellani em Milão, e que estará disponível a partir de agora, sob encomenda, durante um ano. 

Estúdio de arquitetura e de design de interiores fundado em Milão em 2003 pela dupla ítalo-americana Emiliano Salci e Britt Moran, o Dimore Studio recebeu carta branca para elaborar uma série de objetos preciosos para a Dior Maison.

Uma coleção totalmente exclusiva, composta de vasos, bandejas, de um candelabro, um isqueiro e um cinzeiro, marcadores de lugar, molduras e um guarda-chuva, combinação do trabalho virtuoso de diferentes metais (ouro, prata, bronze e aço) com o Plexiglas e a tecelagem natural do vime, celebrando o Cannage, código emblemático da Maison Dior. Uma coleção excepcional, alquimia entre um savoir-faire de excelência, o estilo de vida francês e o caráter contemporâneo único do Dimore Studio.

11 Abril
novidades

Caleidoscópio floral

Elaborados por Maria Grazia Chiuri para a coleção prêt-à-porter Primavera-Verão 2019, os motivos florais hipnotizantes batizados de Kaleidiorscopic inspiram-se nos jogos de luz vanguardistas da dançarina Loïe Fuller. Eles afloram em vestidos estampados ou delicadamente bordados, em sneakers e em peças de denim com visual elegante e sportswear.

10 Abril
novidades

J’adore Óleo Divino

No coração de um precioso frasco com curvas icônicas, o novo Óleo Divino J’adore é um convite ao prazer imediato. Este vaporizador nômade envolve a pele com uma delicada bruma perfumada, liberando as notas solares do buquê floral emblemático da Maison. Sua fórmula fina e suave hidrata generosamente, deixando um acabamento acetinado e luminoso, ideal para sublimar uma pele sutilmente bronzeada.

10 Abril
novidades

J’adore Roller-Pearl

Em um frasco-joia nômade com curvas sensuais, inspiradas em sua icônica ânfora, o emblemático rastro do J’adore surge agora em um formato Roller-Pearl. Sua esfera macia rola voluptuosamente pela cavidade do pescoço ou do pulso, revelando o buquê floral mítico do J’adore, no âmago de uma textura surpreendentemente fresca e sensorial. Um novo gesto delicado, elegante e sensual.

09 Abril
novidades

Prolongar o prazer do J’adore

“J’adore é um perfume extraordinário, que consegue ser facilmente sedutor, mas com uma assinatura original. Que consegue ser carnal, sem ser pesado. É uma composição que alia os opostos, que transforma as icônicas notas florais em um conjunto atraente, inédito e misterioso. J’adore inventa uma flor que não existe”, explica François Demachy.

Realçar o mítico rastro do J’adore Eau de Parfum e sublimá-lo com delicadeza, desfrutando de um momento precioso consigo mesma. Com seu novo formato Roller-Pearl e um novo Óleo Divino, J’adore oferece às mulheres duas novas maneiras de se entregar ao mítico buquê floral da fragrância.

08 Abril
Savoir-Faire

O savoir-faire da bolsa Lady Dior em vídeo

08 Abril
Savoir-Faire

O savoir-faire da bolsa Lady Dior

Peça icônica da Maison, criada pelas mãos habilidosas de artesãos apaixonados, minuciosos e exigentes, que deixam sobre o seu couro a marca do savoir-faire Dior. Descubra seus segredos de confecção.

Bolsa emblemática da Maison, a Lady Dior assina, há mais de vinte anos, um visual sofisticado e elegante. Confeccionada no ateliê a alguns quilômetros de Florença, tudo nela remete à excelência do savoir-faire em artigos de couro. Dos modelos mais atemporais, em couro de cordeiro, aos mais preciosos, em couro de crocodilo, o trabalho começa sempre pela escolha da pele. A seleção segue rigorosamente o mesmo ritual: tocar, sentir, examinar, observar e analisar cada centímetro. 

Para essa Lady Dior na cor Nude, o artesão cortou os trinta e dois elementos com a ajuda dos moldes e de uma lâmina afiada. Em seguida vem a etapa do Cannage, na qual o quadriculado que remete ao desenho do assento das cadeiras Napoleão III – presentes no salão Dior desde o primeiro desfile, em 12 de fevereiro de 1947 – é minuciosamente aplicado sobre o couro.

Depois, as alças são colocadas inteiramente à mão, assim como a montagem da bolsa, realizada com a ajuda de uma fôrma de madeira elaborada sob medida, com as proporções exatas da peça. É a mão do artesão que esculpe e trabalha a pele, garantindo sua perfeita arquitetura. É ela que confere “a singularidade de um objeto de arte (…), o valor insubstituível da mão do homem, escreveu Christian Dior, pois ela proporciona em tudo o que cria algo que nenhuma máquina saberia proporcionar: poesia e vida”. 

As peças em metal fosco vêm em seguida ornamentar a bolsa: ilhoses, rebites e berloques soletrando o nome Dior são revisitados em uma versão contemporânea. Cada detalhe, por mais minucioso que seja, contribui para a beleza do conjunto, como demonstrado perfeitamente pela menção “Christian Dior” gravada à quente no disco de couro preso junto aos berloques. Como toque final, a alça a tiracolo removível pode ser ajustada para um uso no ombro ou em  crossbody.

Mais artigos