A lenda da Magic Hour | DIORMAG

08 Junho
novidades

Nos bastidores

Entre nos bastidores do ensaio fotográfico da coleção prêt-à-porter Outono 2018, que brinca com os códigos do universo masculino e feminino.

07 Junho
novidades

Coleção Outono 2018

Para a coleção de prêt-à-porter Outono 2018, Maria Grazia Chiuri inspirou-se na artista Claude Cahun. Confira o press release.

  • ©

    Arnaud Lajeunie

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

  • ©

    Arnaud Lajeunie 

 

Debaixo dessa máscara, outra máscara. Nunca terminarei de remover todas essas faces, Claude Cahun

O ponto de partida dessa coleção Outono 2018 Dior é a redescoberta da obra de Claude Cahun (pseudônimo de Lucy Schwob, 1894-1954), escritora surrealista, fotógrafa, atriz, militante política e ativista da resistência francesa que reivindicou sua homossexualidade. Fascinada por seus autorretratos fotográficos questionando a identidade e o gênero, a Diretora Artística das coleções femininas foi influenciada pelas fotos da artista, nas quais masculino e feminino são poses, máscaras.

Eu queria confrontar a precisão dos fundamentos e dos materiais do vestuário masculino. Queria destacar a parte menos explorada do patrimônio de Christian Dior, uma parte praticamente restrita, com a utilização de tecidos masculinos e casacos, camisas com linhas rigorosas, afirma Maria Grazia Chiuri. Assim, essa coleção demonstra que é justamente através da moda que a complementaridade entre masculino e feminino define a individualidade no século XXI. Depois da Segunda Guerra Mundial, com o New Look, Christian Dior devolveu às mulheres o prazer pela feminilidade. Da mesma forma, Maria Grazia Chiuri deseja hoje que as mulheres disponham das ferramentas necessárias para desempenhar, antes de qualquer coisa, identidades múltiplas, e não personagens pré-estabelecidas.

As formas absolutamente femininas ilustram duas atitudes diferentes: uma, mais rigorosa, com colarinhos que lembram os das camisas usadas por Claude Cahun, e outra, mais sensual, com comprimentos longos e transparência. As linhas e proporções emblemáticas da Dior são revisitadas em versões leves em tule cinza e rosa pó. Os códigos da Maison – volumes, cortes dos decotes, comprimentos – são desconstruídos e retrabalhados em jogos inéditos de contraste. Assim, o cetim, apreciado por Christian Dior, aparece em saias perfeitamente pensadas para o corpo feminino de hoje. Criações que podem ser usadas até mesmo embaixo de um casaco masculino.

05 Junho
novidades

A lenda da Magic Hour

A Maison Dior apresenta o filme Legend of the Magic Hour com Johnny Depp no deserto, no momento em que o céu arde e a vida selvagem desperta.

Sob a luz de uma fogueira, na reserva protegida de Joshua Tree, na Califórnia, Johnny Depp conta a lenda navajo da Magic Hour¹, este momento de suspensão entre o dia e a noite, quando a terra exala todos os seus aromas e o céu ganha tons azulados. É também o momento exato em que a natureza dá as cartas, revelando o espírito faceiro do Deus Coiote. Sob a influência desse personagem mitológico ameríndio, homens e mulheres do deserto se deixam envolver por essa atmosfera mística e inquietante.

Entre documentário e ficção, este vídeo realizado por Clément Beauvais e Arthur de Kersauson explora a inspiração do Sauvage Eau de Parfum. Para esse rastro, François Demachy, Perfumista-criador exclusivo da Dior, traduz em notas olfativas este momento misterioso. Evocando os aromas do deserto, essa fragrância com múltiplas nuances, ao mesmo tempo suave e intensa, associa a bergamota da Calábria, assinatura marcante do perfume, aos acentos amadeirados e secos do ambroxan. Deliciosa e suculenta, a baunilha de Papouasie acrescenta, por sua vez, uma nova faceta ao perfume.

 

¹ A hora do crepúsculo no deserto

04 Junho
novidades

A rosa de maio, no coração dos perfumes Dior

Colhida em Grasse, berço da perfumaria e terra escolhida pelos perfumes Dior, a rosa é uma dos protagonistas da história da Maison. A cada ano, seu florescimento é motivo de celebração.

Ao comprar a propriedade de La Colle Noire, perto de Grasse, Christian Dior decidiu cultivar no local a rosa de maio, flor emblemática dessa região excepcional. Estimada pelo estilista, ela vem florescendo em suas criações desde o início da Maison e oferece aos seus perfumes notas potentes e sensuais. Assim, ela brilha no coração do Miss Dior, que acompanhou os looks de curvas femininas do New Look. "É o perfume do amor. Assim quis Christian Dior e assim deve continuar, com constância, ardor, resplendor e paixão", explica François Demachy, Perfumista-Criador exclusivo da Dior que também revisitou esse buquê icônico em uma Eau de Parfum.

Para o Miss Dior, os produtores se reúnem todos os anos, em Grasse, no momento da colheita da rosa de maio. Tal colheita, que dura cerca de um mês, é um evento muito esperado. Armelle Janody, verdadeira apaixonada que vive uma história sensorial a cada colheita, explica suas sensações únicas: "a profusão de pétalas na qual mergulhamos as mãos, a seiva apimentada que deixa seu odor nos dedos."

01 Junho
Desfiles

O savoir-faire da renda

Para recriar as rendas brancas deste vestido longo, Maria Grazia Chiuri se inspirou em modelos vintage e especialmente em uma gola encontrada nos arquivos do ateliê Potencier Broderies. O motivo original, enriquecido com flores de algodão, foi recriado ponto a ponto antes de ser registrado em um software. A última etapa dessa técnica moderna consiste em recortar o motivo minuciosamente para deixar a renda guipure visível, em transparência, dando volume aos babados dessa criação.

©

Potencier Broderies

01 Junho
Desfiles

O savoir-faire do toile de Jouy

Motivo principal dessa coleção Croisière e grande clássico francês do século XVIII, o toile de Jouy foi modernizado com uma série de animais selvagens. Assim, tigres, ursos e girafas foram desenhados manualmente com caneta tinteiro em meio a cenas campestres, como gravuras.

Apresentado nas cores tradicionais (azul, vermelho e verde), e enriquecido com toques de cores inéditas como o camel ou o preto, esse tecido reinterpretado está presente nos trenchs, nas saias, no jeans e em algumas bolsas da estação.

31 Maio
Desfiles

O savoir-faire dos bordados mexicanos

  • ©

    Sophie Carre

  • ©

    Sophie Carre

  • ©

    Sophie Carre

  • ©

    Sophie Carre

  • ©

    Sophie Carre

Mais artigos